terça-feira, 12 de outubro de 2010

Nietzsche aos 14.


Há oito meses, A. entrava quase que diariamente às 7h na escola em que ambos dávamos aula e me cumprimentava com um sedutor abraço matinal. Ocasionalmente, demorava mais que o usual esfregando sua barba macia na minha bochecha direita e terminava por deixar minha calcinha molhada. Às 7h, de olhos ainda inchados e tomada por um pequeno mau humor, eu me permitia sentir certa excitação apenas por notar o cheiro enjoativo de creme dental que saía da boca bem desenhada de A., professor jovenzinho e cheio de aspirações revolucionárias.

Além das aspirações revolucionárias e da barba macia, reunia em si várias outras qualidades capazes de levar suas alunas – que, consequentemente, também eram ensinadas por mim - a despejar em minha direção diversos comentários sobre ele. O cabelo era o tópico mais frequente nas rodas de conversa do intervalo ou mesmo nas fofocas irritantes de meio de aula que eu tão ferozmente tentava combater. As garotas se derretiam diante dos cachos desorganizados de A. e aparentemente tão macios quanto a sua barba. Suspiravam ao vê-lo passando as mãos cheias de giz despreocupadamente em seus cabelos enquanto apoiava-se no quadro negro e falava sobre marxismo com os olhos brilhando e um charme inacreditável. Logo em segundo lugar vinha a sua irremediável cara de canalha: com dentes meio separados enfeitando um sorriso encantador, ele era capaz de levar qualquer aluna à loucura com qualquer um de seus comentários, inocentes ou não. Pois eu sabia. Sabia de cada uma das tentativas pervertidas de levar alunas de quinze ou dezesseis anos pra casa, sabia de todas as vezes em que havia sido bem sucedido, sabia de dois ou três hímens que havia mandado pro espaço, sabia de umas garotas que choravam por ele no banheiro e de umas outras que me odiavam porque conversávamos nos corredores e nos abraçávamos sempre que possível.

Ele era desgraçadamente bonito, é preciso concordar. Quando estava frio, vestia camisas claras de mangas compridas e tecido leve que se assemelhavam a pijamas e exatamente nesses dias nossos abraços tornavam-se intermináveis pra escola toda parar e comentar maldosamente que os dois professores revolucionários e adorados pelos alunos talvez estivessem tendo um caso. Mas não estávamos. Eu passava as unhas nas suas costas por baixo da camisa e ele me apertava mais pra perto pra sentir meus seios contra o seu peitoral digno de várias horas de admiração. Às vezes, eu chegava a deixar escapar pequenos gemidinhos enquanto A. passava a barba no meu rosto e o via se afastar com um sorriso safado grudado na cara. O mesmo que usava com suas alunas, eu tinha certeza. E, por isso, eu era imune ao seu charme insuportável. Afinal, tinha mais de dezoito anos e não depositava grandes esperanças em homens que costumavam comer garotinhas virgens e inexperientes. Ele, provavelmente, era muito ruim de cama. E inseguro. E egoísta. E cheio de assuntos insuportáveis e erros de português.

Aqui, espero que já tenham deduzido que nunca havíamos nos encontrado fora da escola. Nunca trocamos telefones, nossos e-mails sempre foram dotados de um profissionalismo exemplar e nossas conversas se reduziam a amenidades nada calorosas ou pessoais. Mas eu me vestia pensando nele. À noite, quando geralmente preparava as aulas do dia seguinte, pensava incessantemente no que vestir. Sabia que ele adorava as minhas saias, minhas sandálias de couro, os vestidos que marcavam discretamente a minha bunda grande, meu rosto sem maquiagem, minhas orelhas sem brincos. E eu me esforçava pra arrancar dele seus elogios sutis e os olhares indiscretos que às vezes lançava a todas as direções do meu corpo. Sorríamos quando nos encontrávamos. Aliás, provocávamos encontros casuais como dois adolescentes idiotas e às vezes eu o pegava me olhando sem disfarçar, me encarando e umedecendo os lábios num convite claro ao duelo. Mas fui capaz de manter uma distância segura de A. até setembro, mês no qual o vi parado em minha frente sem camisa, suado e ofegante.

Era feriado e eu estava sozinha, como quase sempre estava. Cansada de ler deitada no sofá de casa, cheia de um calor que me fazia tomar um banho a cada trinta páginas, decidi exalar intelectualidade num parque que ficava a poucos quarteirões da minha casa. Tomei um último banho, prendi o cabelo e andei até lá. Não me olhei no espelho antes de sair de casa, não passei um hidratante diferente em cada membro do meu corpo e muito menos perdi segundos de leitura me perfumando exageradamente. Fui, apenas. Lá, busquei uma sombra e me sentei sobre o lençol branco que havia levado pra evitar que a grama despertasse coceiras incômodas e atrapalhasse minha concentração. Com uma água de coco na mão, retomei minha leitura e por uns vinte minutos não desgrudei o olhar das páginas. Mas então ele se sentou do meu lado sem pedir licença, sem me cumprimentar, sem me dar nenhum de seus abraços costumeiros e sorriu deliciosamente ao conferir o título do livro que agora jazia sobre as minhas pernas nuas e não bronzeadas. Thoreau,é? Eu sabia que ele estava impressionado. Thoreau, professor. Respondi debochando e já me inclinando pra mais perto.

Thoreau e você de tie-dye curtinho, sem sutiã, na esquina da minha casa.

O convite estava feito. Era um dia tedioso, restavam-me apenas poucas páginas do livro pra terminar, a casa dele era ali na esquina, a minha era um pouco mais pra frente e ele estava passando as mãos nos cabelos como fazia na sala de aula. Eu mordia os lábios, me sentindo uma das suas adolescentes e, de forma inexplicável, via prazer nisso. Olhei para o peito firme de A. sem esforço algum pra simular outro interesse. Seus pelos bem distribuídos, claros, adornando a pele branca e molhada me convenciam melhor que qualquer proposta inteligente. Mas ele fingiu que não havia me convidado pra nada e em poucos segundos estávamos lá, quase recompostos, falando do Thoreau dele, do meu Nietzsche, do meu Sartre, dos meus relacionamentos kunderianos que inconscientemente eu pedia pra que fossem os dele também. Nenhum erro de português, assuntos fascinantes, um cheiro bom vindo de todas as partes do seu corpo e minhas mãos subindo e descendo por aqueles pelos, às vezes perdendo-se entre duas coxas grandes que eu mal conseguia segurar. Ele olhou pros lados duas vezes, sem parar de falar comigo, segurou minha mão direita e me indicou onde seu pau estava. Eu parei de falar e abri a boca numa expressão de surpresa, susto e excitação. Com aquele pau latejando e aquele sorriso canalha sorrindo pra mim, eu fui pra casa dele.

Trepamos em sua cama, em seu quarto rodeado de livros. Ele era, com toda a certeza do mundo, o homem nu mais bonito que eu havia visto até então. Sua beleza bruta estava presente desde os seus pés brancos até seus ombros largos e bons de apertar. A. me apertava muito, também. Enquanto me beijava com uma língua nada moderada, apertava meus braços finos com força e às vezes parava de me beijar pra assistir minha reação. Eu sempre gemia mais forte diante dessas pequenas violências. Chupava-me com uma destreza inacreditável para a sua pouca idade e eu me contorcia gemendo o seu nome enquanto ele me batia, ainda meio tímido, e apertava a minha bunda com devoção.

Trocamos telefones, livros, CDs, filmes, roupas, confissões, favores, orgasmos, provocações, cervejas, banhos e as melhores trepadas da minha vida. Na escola, as garotas de A. nem imaginam e nenhum de nós quer que isso mude. Ele é de todas nós e deve continuar assim, sendo o homem nu mais bonito de nossas vidas. Uma vez por semana ele é meu e dividimos até mesmo meu chuveiro, coisa que até então eu não havia experimentado. Suas coxas são o melhor lugar para minhas mãos estarem. A cabeça daquele pau se aloja perfeitamente na minha boca quente. Suspiro enquanto escrevo e vou tomar banho pra aplacar a água na boca.

Mina Vieira.

12 comentários:

Anônimo disse...

é ficção ?
muuito bom

Mina: disse...

Oui, é ficção. E você é quem, pessoa anônima?

Amanda disse...

Mina olha eu lendo seu blog e adorando, muito bom!
Seus textos são muito bons.

livmelo disse...

gosto muito dos seu blog.

Miloka disse...

A mina detona!

Amalio Damas disse...

Mina, mas que mina é essa? Muito bom,surpreendentemente bom!

Alanna Portela disse...

Muuuito bom. Adorei mesmo.

Anônimo disse...

Abandonou o blog?

João Eurico Heyden Junior disse...

Parou de escrever por que?
Quando se cativa uma pessoa você tem responsabilidades quanto à ela...

Anônimo disse...

MULHER, VEM ESCREVER AQUI, PELA MINHA SANIDADE!

Mina: disse...

SÓ QUANDO OS ANÔNIMOS SE DESMASCARAREM!

rs

Mas volto, em breve.

teowill (tw.now@hotmail.com) disse...

Quero ver fazer suspirar.... sem sequer te encostar!!
Dom para poucos!!

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Ribeirão Preto, São Paulo, Brazil